Compartilhe, , Google Plus, Pinterest,

Imprimir

Postado em:

Dicas para escolha da melhor panela para sua cerveja artesanal

Gastronomia e Comportamento

Cerveja artesanal: seu líquido precioso

Quero fabricar minha cerveja artesanal, mas por onde começar?

Hoje vamos conversar sobre um assunto que está em pauta nas rodas de apreciadores de cerveja: a fabricação de cerveja artesanal.

Pesquisa recente da Universidade de São Paulo aponta que a cerveja consumida no Brasil tem 45% de milho no lugar da cevada. Por tradição, a bebida deve ser feita com água, malte (produzido com a cevada) e lúpulo, mas alguns rótulos de grandes marcas trazem o misterioso ingrediente “cereais não maltados” em sua fórmula.

Os apreciadores “do líquido precioso”, por muitas vezes se sentirem enganados com as grandes marcas, têm optado por cervejas artesanais. Tal bebida caiu no gosto dos brasileiros e, como muitos deles resolveram se arriscar em busca da fabricação da sua própria cerveja, nossa ideia é apresentar aqui algumas dicas básicas para a escolha da panela que será utilizada no preparo do famoso “pão líquido”.

“Pão líquido”?! Sim, nunca ouviu falar nessa expressão? Estudiosos do assunto sugerem que a cerveja, assim como o vinho, tenha sido descoberta acidentalmente, fruto da fermentação não induzida de algum cereal. Afirma-se que a descoberta da cerveja se deu pouco tempo depois do surgimento do pão. Os sumérios e outros povos teriam percebido que a massa do pão fermentava quando molhada, ficando ainda melhor. Assim teria aparecido uma espécie primitiva de cerveja, como “pão líquido”. Em geral, a cerveja era feita por padeiros devido à natureza das matérias-primas utilizadas: grãos de cereais e leveduras.

Cerveja artesanal: seu líquido precioso

Bem, deixando a história de lado, caneta e papel na mão e vamos ao que interessa!

Uma boa escolha dos equipamentos e utensílios é o primeiro passo para dar início ao processo de fabricação.
Vejamos alguns detalhes que devem ser considerados.

Qual melhor material?
A principal diferença encontrada entre o aço inox e o alumínio está na condutividade térmica e na resistência a alguns produtos químicos.

  • Aço inox: Em relação à resistência, suporta melhor o uso de alguns materiais de limpeza mais agressivos, como a soda cáustica (que não deve ser usada no alumínio). Já referente à condutividade térmica também é a melhor opção, pois possui baixa condutividade térmica que ajuda a reter o calor da brassagem, melhorando o controle da temperatura nessa etapa.
  • Alumínio: ganha apenas no quesito preço. Algumas panelas de mesmo volume em versões de aço inox podem custar 1/3 a mais.

Por isso, vale a pena perder um tempinho na pesquisa de preços no momento em que decidir fazer a compra e analisar bem o custo-benefício.

Qual a melhor espessura?
Os materiais possuem diferença em relação à condutividade térmica, porém a espessura da panela auxilia na retenção do calor e no manuseio. Caso opte por uma panela mais fina, atenção redobrada com a temperatura. O ideal mesmo é uma panela com fundo e laterais mais espessos, assim não corre o risco de a temperatura ficar muito abaixo da desejada e também não corre o risco de deformações em função do peso. As panelas de aço inox costumam ter um reforço no fundo.

Qual formato ideal?
De acordo com mestres cervejeiros profissionais e leigos, o ideal sempre é o modelo caldeirão devido à altura que favorece o processo de fervura.

E o tamanho, como deve ser?
O tamanho ideal da panela vai variar de acordo com cada processo e de quantos litros de cerveja você pretende produzir, mas, via de regra, pode-se seguir:

  • No momento da brassagem opte por um modelo grande o suficiente para caber a quantidade de grãos usada mais um volume de água de, pelo menos, duas vezes e meia os grãos. Esse mesmo tamanho de panela irá servir para o aquecimento da água e para a lavagem.
  • Já para o processo de fervura, o ideal é um modelo maior e mais alto, para evitar o boil-over (que é quando o mosto espuma e pode transbordar da panela fazendo aquela sujeira). A medida ideal nesse processo é de duas vezes o volume final da fervura.

Mãos à obra!

Agora que você já tem uma ideia de quais itens considerar na escolha da sua panela, procure uma boa loja para realizar sua compra, dê preferência ao produto que tiver um melhor custo-benefício, deixe a preguiça de lado e mãos à obra!

Sim, deixe mesmo a preguiça de lado, pois para fabricar cerca de 20 litros da sua cerveja em casa serão dedicadas cerca de 6 horas apenas para preparar a mistura que vai ser levada para a fermentação e mais alguns dias de trabalho das leveduras até que esteja pronto para consumo. Será uma atividade prazerosa, um momento de descontração e você pode compartilhar suas experiências com amigos e amantes de uma boa cerveja.

Mas lembre-se sempre: consuma com moderação e, se beber, não dirija.
Grande abraço a todos e até a próxima!